Katholikos

Catolicismo de maneira inclusiva

Página 2 de 165

07 de abril – Monsenhor André Sampaio

“A verdadeira humildade é firme, segura, sóbria e jamais compartilha com a hipocrisia ou com a pieguice. A humildade é a mais nobre de todas as virtudes, pois somente ela predispõe o seu portador à sabedoria real. O contrário de humildade é orgulho, porque o orgulhoso nega tudo o que a humildade defende. O orgulhoso é soberbo, julga-se superior e esconde-se por trás da falsa humildade, ou da tola vaidade. Alguns exemplos talvez tornem mais claras as nossas reflexões. Quando uma pessoa humilde comete um erro, diz ‘eu me equivoquei’, pois sua intenção é de aprender, de crescer. Mas quando uma pessoa orgulhosa comete um erro, diz: ‘não foi minha culpa’, porque se acha acima de qualquer suspeita. A pessoa humilde enfrenta qualquer dificuldade e sempre vence os problemas. A pessoa orgulhosa dá desculpas, mas não dá conta das suas obrigações e pendências. Uma pessoa humilde se compromete e realiza. Uma pessoa orgulhosa se acha perfeita. A pessoa humilde diz: ‘eu sou bom, porém não tão bom quando gostaria de ser’. A pessoa humilde respeita aqueles que lhe são superiores, e trata de aprender algo com todos. A orgulhosa resiste àqueles que lhe são superiores e trata de pôr-lhes defeitos. O humilde sempre faz algo mais, além da sua obrigação. O orgulhoso não colabora e sempre diz: ‘eu faço o meu trabalho’. Uma pessoa humilde diz: ‘deve haver uma maneira melhor para fazer isto, e eu vou descobrir’. A pessoa orgulhosa afirma: ‘sempre fiz assim e não vou mudar meu estilo’. A pessoa orgulhosa não aceita críticas, a humildade está sempre disposta a ouvir todas as opiniões, e a reter as melhores. Quem é humilde cresce sempre, quem é orgulhoso fica estagnado, iludido na falsa posição de superioridade. O orgulhoso se diz cético, por achar que não pode haver nada no universo que ele desconheça, o humilde reverencia o criador todos os dias porque sabe que há muitas verdades, que ainda desconhece. Uma pessoa humilde defende as idéias que julga nobres, sem se importar de quem elas venham. A pessoa orgulhosa defende sempre suas idéias, não porque acredite nelas, mas porque são suas. Enfim, como se pode perceber, o orgulho é grilhão que impede a evolução das criaturas. A humildade é a chave que abre as portas da perfeição.”

Monsenhor André Sampaio

06 de abril – Monsenhor André Sampaio

“A coragem provém da fonte mais nobre dos sentimentos. Ela provém do amor. Somente pelo amor lutamos sem medo, e tudo fazemos para alcançar aquilo que tanto desejamos. Lutemos pelo bem, pela alegria, pela paz, pelo amor e teremos um grande aliado ao nosso lado: Jesus! Não nos deixemos intimidar pelas dificuldades do caminho. Com amor e fé, a coragem de seguirmos nossa jornada, se fortalecerá a cada obstáculo que transpusermos. Ainda que passemos por tempestades e tormentas, tenhamos coragem e confiança, pois Jesus está no leme do nosso barco da vida!”

Monsenhor André Sampaio

06 de abril – Santa Gala, viúva romana

Transcorria o período de violências, que causou a decadência do Império Romano do Ocidente (476). Quinto Aurélio Símaco, patrício romano, ao ser eleito Prefeito de Roma, em 476, tentou manter boas relações com os soberanos Bárbaros. Tornou-se Cônsul, em 485, e, depois, também chefe do Senado, até à ruptura definitiva com Teodorico, que o condenou à morte em 525. Quinto Aurélio tinha uma filha, Gala, casada com um nobre romano, de nome desconhecido, mas, depois de apenas um ano, ficou viúva.

Coragem de recomeçar na fé

Após o período de luto, muitos membros da família pedem para Gala encontrar um novo marido. Mas, ela, que conseguiu abrandar a sua grande dor, ancorando-se na fé, tinha outros planos.

A jovem, que não morava muito longe da igreja de São Pedro, a começou a frequentar, todos os dias, dedicando muito tempo à oração. Além do mais, começou a dedicar-se ao jejum e, sobretudo, à filantropia e a muitas outras santas obras de caridade para com os necessitados, que sempre eram numerosos. Em pouco tempo, decidiu consagrar-se totalmente ao Senhor, retirando-se para um mosteiro, não muito distante, “na simplicidade do coração”, como descreveu São Gregório.

Enfim, a corajosa decisão de Gala ultrapassou os confins de Roma, tanto que, da Sardenha, São Fulgêncio, onde estava exilado, escreveu-lhe uma linda carta – uma espécie de tratado – na qual animava a mulher e outras viúvas a fazer escolhas transparentes e corajosas: “De statu viduarum“. Santa Gala faleceu em 550.

Culto de origens antigas

Animada pelos conselhos ascéticos e pelo apoio, recebidos à distância, entre os quais os de São Fulgêncio, Gala prosseguiu firme na sua vida monacal, que logo se transformou em odor de santidade.

Segundo as fontes, além da ajuda que prestava os enfermos e necessitados, Gala tinha frequentes visões da Virgem, representadas em uma valiosa obra de arte, conservada na igreja de Santa Maria em Campitelli, em Roma. Além disso, também São Pedro lhe apareceu, quando moribunda, convidando-a a ocupar o lugar, ao seu lado, que lhe cabia no céu.

A igreja de Santa Maria, no pórtico, provavelmente construída no lugar onde Gala morava e a ela dedicada, foi destruída, por volta de 1930. Hoje, há uma paróquia, dedicada a Santa Gala, ao longo do anel da Via Ostiense.

Fonte: Vatican News. Acesso em: 01 abr. 2024.

05 de abril – Monsenhor André Sampaio

“O preconceito é a disposição de não aceitar o outro como ele é, além de ser uma negação dos princípios da Caridade e do Amor ao próximo e a si mesmo. Em quantos momentos nos vemos presos a preconceitos que não nos levam a lugar nenhum, muito pelo contrário degrada nossas virtudes e elevam nossos defeitos como a incompreensão e a intolerância. Desperdiçamos tempo apontando o outro e nos esquecemos de cuidar da nossa melhora e do nosso crescimento espiritual, impedindo assim a nossa santificação. Ao invés de termos o preconceito porque não usamos esse tempo doando o que há de melhor em nós a quem precisa, quanto tempo perdemos ao falar e criticar o outro enquanto podíamos ajudar quem realmente necessita de nós. Livremo-nos do preconceito pois ele não nos encaminha à caridade nem tão pouco nos ensina o amor; sejamos críticos de nós mesmos e não julgadores dos nossos irmãos.”

Monsenhor André Sampaio

05 de abril – São Vicente Ferrer, presbítero dominicano

São Vincente Ferrer, Francesco del Cossa

“A respeito do próximo, exerça estas outras sete disposições: tenra compaixão, alegria jubilosa, tolerância paciente e perdão das injúrias, afabilidade repleta de boa vontade, respeito humilde, concórdia perfeita, doação da sua vida sob o exemplo de Jesus. Como Ele, você estará pronto para doar-se aos seus irmãos” (dos Escritos de São Vicente Ferrer).

Filho de um Tabelião de Valência, ainda antes de nascer, sua mãe teve, em sonho, um pressentimento sobre a grandeza do seu futuro.

Aos 17 anos, reconheceu sua vocação e entrou para a Ordem Dominicana. Após seu ciclo de formação, lecionou lógica, filosofia e teologia na universidade e começou a colaborar com o Cardeal aragonês, Pedro de Luna, braço direito de Clemente VII, primeiro falso papa em Avinhão e, por sua vez, futuro falso papa Bento XIII (não se deve confundir com o Pontífice romano, Bento XIII, no civil Pedro Francisco Orsini, que subiu ao trono de São Pedro em 1724).

O grande Cisma do Ocidente

Em 1378, faleceu Gregório XI, o Papa que, após 70 anos, levou novamente a sede papal de Avinhão para Roma. O sucessivo Conclave, influenciado pelo descontentamento popular, cada vez mais forte, elegeu o arcebispo de Bari, que se tornou Papa Urbano VI. No entanto, ele se mostrou logo hostil para muitos cardeais, alguns dos quais fugiram e elegeram outro Pontífice, Clemente VII, que voltou a se estabelecer em Avinhão. Daí o Cisma.

Em torno dos dois Papas, nascem dois partidos políticos: os Estados se dividem e a Europa cai em um período de profunda crise e incerteza, que durou quase 40 anos.

Em 1409, para resolver os contrastes entre os dois Papas, realizou-se um Concílio, em Pisa, no qual foi eleito um terceiro Pontífice, Alexandre V. Este foi o momento mais doloroso da história.

Somente com o Concílio de Constança, convocado em 1417, e mediante a intervenção do Imperador Sigismundo, voltou-se à unidade com o novo Papa Martinho V.

Em viagem pela Europa

Naquele contexto, em 1398, Vicente Ferrer foi o confessor do Papa Bento XIII, em Avinhão. Em sonhos, o futuro santo recebeu do Senhor a missão de partir, para pregar e evangelizar, por 20 anos, toda a Europa: da Provença ao Piemonte e Lombardia, mas, depois, voltou novamente para a França e a Espanha.

Vicente se locomovia montado em um burro, sob a chuva e o sol, o calor do verão e o inverno rigoroso; ele se protegia apenas com o hábito dominicano longo, que também cobria seus pés descalços.

Vicente começou a ser seguido por clérigos e camponeses, nobres e teólogos, homens, mulheres e crianças, aos quais pedia para seguir uma regra e usar um hábito preto e branco. O que mais os atraía era a paixão, o fogo com o qual Vicente pregava, alternando seus sermões com piadas, invectivas e anedotas de viagem.

“O anjo do apocalipse”

Enquanto a situação da Igreja piorava, as palavras de São Vicente Ferrer se tornavam proféticas, a ponto de merecer o título de “Anjo do Apocalipse”. De fato, acostumado com as visitas do demônio, Vicente falava do iminente fim do mundo e dos eventos prodigiosos que o precedem, do retorno de Elias e da necessidade de se converter para salvar a própria alma. Suas afirmações causavam temor, mas não deixava de lado a mortificação corporal, mediante o jejum contínuo e a privação do sono, para dedicar mais tempo à oração.

São Vicente Ferrer morreu como viveu – em viagem – mas já era venerado como Santo. A Ordem Dominicana o recorda em outra data: 5 de maio.

Fonte: Vatican News. Acesso em: 01 abr. 2024.

« Posts anteriores Posts recentes »

© 2024 Katholikos

Por Mauro Nascimento