Já se perguntou sobre o contraste entre as ações que tomamos na presença de outros e aquelas que ocorrem no silêncio de nossa solitude? Qual o papel da educação básica e do ambiente familiar na formação inicial de nosso caráter? É viável fazer nossa ética, influenciada pelas expectativas da sociedade, ecoar em harmonia com nosso caráter, moldado na privacidade de nosso próprio ser? Como a educação se insere nesse esforço pela autenticidade e integridade?

Embarque comigo nesta reflexão sobre tais questionamentos, do universo intrincado da ética, do caráter e do papel indelével da educação em nosso desenvolvimento.

Quantas vezes nos pegamos ponderando sobre a dicotomia entre o que fazemos quando somos observados e quando estamos sozinhos? A perspicácia do escritor Oscar Wilde nos oferece uma interessante partida para essa reflexão:

“Chamamos de ética o conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão olhando. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém está olhando chamamos de caráter.”

A ética é uma espécie de “teatro social”, um script dirigido pelas normas, regras e expectativas da sociedade. É como se fosse um holofote que ilumina cada ação nossa, exigindo conformidade com padrões aceitáveis. As ações éticas são moldadas pelo olhar alheio, podendo refletir ou não a nossa verdadeira essência.

O caráter, por sua vez, é a nossa verdade mais genuína, revelada quando o palco se apaga e as cortinas se fecham. É construído na infância, na intimidade do lar, longe dos olhos do mundo. E é aqui que a educação básica e a criação familiar desempenham um papel crucial, moldando a estrutura moral na qual nosso caráter será construído.

A dicotomia ética-caráter é complexa, entrelaçada pela influência incontestável da educação. A educação não é meramente o aprendizado de fatos ou habilidades, mas a formação do caráter, a transmissão de valores, a incubação de princípios éticos que iluminarão nossas ações quando todos estiverem olhando – e, claro, quando ninguém estiver.

Mas não se engane, a educação e a criação familiar não devem ser vistas apenas como moldadoras do caráter, pois também têm o potencial de harmonizar ética e caráter, permitindo que nossas ações sob o holofote da ética sejam tão autênticas quanto as realizadas na sombra do caráter.

Portanto, no intricado jogo da educação e da criação, talvez devêssemos nos perguntar: “Estamos educando nossas crianças para serem éticas apenas sob o olhar público, ou estamos ajudando a moldar um caráter que permanece íntegro, mesmo na ausência de espectadores?”

Por fim, devemos lembrar que, enquanto adultos, ainda podemos aprender e evoluir. Cada decisão tomada, cada escolha feita, é uma oportunidade para alinhar nossa ética ao nosso caráter, buscando uma integridade mais profunda e significativa. Afinal, é no silêncio de nossas ações ocultas que o eco de nosso caráter verdadeiro ressoa mais alto.

Tiago Souza

Fonte: Ética e Caráter: Reflexões sobre o Impacto da Educação na Construção do Ser. Acesso em: 07 jun. 2023.