Catolicismo de maneira inclusiva

Tag: resiliência

23 de janeiro – Monsenhor André Sampaio

“Quem tem fé, não se abate ante noite escura.

Quem confia, não se desespera na convulsão.

Quem ama, não se debate na desconfiança.

Quem crê, não se tortura na incerteza.

Quem espera, não se atira nos braços da aflição.

Quem serve, não se gasta com a ingratidão.

Quem é gentil, não aguarda entendimento.

Quem é puro, não se revolta com as calúnias.

Quem tem determinação, não se abate facilmente diante das dificuldades…”

Monsenhor André Sampaio

19 de julho – Monsenhor André Sampaio

“Resiliência pode ser definida como a capacidade do indivíduo em suportar pressões. A capacidade de atravessar experiências  adversas sucessivas, enfrentar problemas e dificuldades,  sem comprometer a condição de prosseguir e se desenvolver.

Esta postura requer energia, equilíbrio emocional,  autoestima e autoconfiança. A vida nos coloca frente a frente com situações adversas e,  muitas vezes, traumáticas. Por isso, pessoas que desenvolvem um  comportamento vencedor conseguem transformar dificuldades em oportunidades de crescimento e prosseguir em situações nas quais as demais costumam ficar emocionalmente abaladas.

Nosso grau de resiliência é uma consequência da boa estruturação de nosso universo interior e depende dos vínculos que estabelecemos  com a vida e com as pessoas mais significativas que dela participam.

Ser resiliente é superar problemas, extrair lições das dificuldades  e seguir fortalecido. Quanto maior for o nosso nível de consciência,  maiores serão nossas possibilidades de agir assim.

O mundo é dos fortes, dos que superam corajosamente as dificuldades e obstáculos, recomeçando continuamente, sem jamais esmorecer.

Quanto maior for nossa resiliência, maiores serão as condições de desenvolvimento pessoal e profissional, maior a motivação e a capacidade de lidar com situações tensas e complexas, algo extremamente valorizado no ambiente corporativo.”

Monsenhor André Sampaio

30 de junho – Monsenhor André Sampaio

NOSSO GRAU DE RESILIÊNCIA É UMA CONSEQUÊNCIA DA BOA ESTRUTURAÇÃO DE NOSSO UNIVERSO INTERIOR 

“Resiliência pode ser definida como a capacidade do indivíduo em suportar pressões. A capacidade de atravessar experiências  adversas sucessivas, enfrentar problemas e dificuldades, sem comprometer a condição de prosseguir e se desenvolver. Esta postura requer energia, equilíbrio emocional, autoestima e autoconfiança. A vida nos coloca frente a frente com situações adversas e, muitas vezes, traumáticas. Por isso, pessoas que desenvolvem um  comportamento vencedor conseguem transformar dificuldades em oportunidades de crescimento e prosseguir em situações nas quais as demais costumam ficar emocionalmente abaladas. Nosso grau de resiliência é uma consequência da boa estruturação de nosso universo interior e depende dos vínculos que estabelecemos  com a vida e com as pessoas mais significativas que dela participam. Ser resiliente é superar problemas, extrair lições das dificuldades e seguir fortalecido. Quanto maior for o nosso nível de consciência,  maiores serão nossas possibilidades de agir assim. O mundo é dos fortes, dos que superam corajosamente as dificuldades e obstáculos, recomeçando continuamente, sem jamais esmorecer. Quanto maior for nossa resiliência, maiores serão as condições de desenvolvimento pessoal e profissional, maior a motivação e a capacidade de lidar com situações tensas e complexas, algo extremamente valorizado no ambiente corporativo.”

Monsenhor André Sampaio

06 de junho – Monsenhor André Sampaio

“Se você vive infeliz, perdeu a alegria de viver e deseja encontrar uma saída, o primeiro passo é deixar a cômoda posição de vítima, seja lá do que for, a assumir a responsabilidade por sua vida. Você vai desfilar um rosário de queixas, alegar que a vida é dura, que as pessoas não a compreendem, que são cruéis e que tudo para você tem sido difícil, que você tenta, não consegue e, por esse motivo, perdeu a esperança de ser feliz. Só lhe resta ‘aguentar’ a convivência complicada com a família, as dificuldades financeiras, os problemas de saúde… Para você, nada dá certo. Pensando assim, você vai continuar sendo infeliz e a cada dia sua situação vai piorar. A vida vai prosseguir ‘apertando o cerco’ até que você chegue a seu limite. Nesse dia vai descobrir que sua felicidade só depende de você. Passará da passividade à ação.

Deus não criou ninguém menos. Embora existam diferentes níveis de evolução, e alguns estejam mais conscientes do que outros, a essência divina está em todas as pessoas. Você tem tanto poder quanto os que ‘têm sorte’. A diferença é que eles o usam de maneira certa, enquanto você, não.

Os resultados são diferentes, mas cada um colhe exatamente o que plantou. Se você está infeliz e as coisas dão errado, é hora de rever suas crenças e perceber como está atraindo isso. O fracasso não existe. A vida dá de acordo com o que recebe. Se só crê no negativo, se apenas enxerga o lado negro das coisas, é isso o que vai ter. Buscar a lição, o lado produtivo, aprender, é resolver as dificuldades com inteligência, abreviar e até dispensar a dor. Comece se perguntando:  ‘Como é que eu me deprimo?’. Aí vão algumas dicas:

  1. Você não confia em si mesmo(a), espera tudo dos outros, paralisa sua criatividade.
  2.  Você se julga menos, não confia no seu desempenho, não quer ousar: só faz o que os outros aprovam.
  3.  Sonha ser herói (heroína). Não faz nada para aprender mais, porém quer ser maravilhoso(a), nunca errar. Adora elogios e não tolera críticas.

É assim que você se fecha, enfraquece a própria força e condena sua alma a viver infeliz. Todos os limites de sua vida é você quem impõe. A alegria, o prazer, a felicidade vêm da alma. Ela deseja expressar sua luz, alargar a consciência, abrir-se para as grandezas futuras, evoluir! Jogue fora a tristeza, cultive o otimismo. Converse com Deus, peça inspiração. Você é muito mais do que pensa que é. Confie na vida, que trabalha a seu favor!”

Monsenhor André Sampaio

© 2024 Katholikos

Por Mauro Nascimento