Catolicismo de maneira inclusiva

Tag: médico

18 de outubro – São Lucas, evangelista, médico, padroeiro dos artistas

São Lucas (© Biblioteca Apostolica Vaticana)

O “doutor dos Gentios”

São Paulo, na Carta aos Colossenses, define Lucas, – autor do terceiro Evangelho e dos Atos dos Apóstolos, – como “médico amado” (Cl 4,14). Segundo o historiador Eusébio, Lucas nasceu em Antioquia da Síria e era um Gentio: de fato, sempre na Carta aos Colossenses, Paulo fala de seus companheiros e nomeia por primeiro “aqueles que vieram da Circuncisão, isto é, os Judeus, sem incluir Lucas (Cl 4,10-11). Além do mais, em seu Evangelho, Lucas demonstra particular sensibilidade em relação à evangelização dos Gentios. Foi ele quem narrou a parábola do Bom Samaritano; citou o elogio que Jesus fez pela fé da viúva de Sarepta; de Naamã, o Sírio; do Samaritano leproso, o único que voltou para expressar seu agradecimento a Jesus por ter sido curado.

Ao lado de Paulo

Nada sabemos sobre as circunstâncias em que Lucas se converteu, mas, pelos Atos dos Apóstolos, podemos deduzir quando Lucas se juntou a Paulo. Até ao capítulo décimo sexto, os Atos foram narrados em terceira pessoa. De repente, logo após a visão de Paulo – um macedônio lhe pede para ir ajudá-los na Macedônia (Atos 16,9), – passou-se à primeira pessoa do plural: “E, logo depois desta visão, procuramos partir para a Macedônia, concluindo que o Senhor nos chamava para lhes anunciar o Evangelho” (Atos 16,10). Logo, Lucas acompanhou Paulo, no ano 51, a Samotrácia, Neápolis, Filipos. Depois, há uma nova passagem para a terceira pessoa, que nos leva a pensar que Lucas não tinha sido preso com Paulo, pelo contrário, que havia permanecido em Filipos, após a partida do amigo.

Sete anos depois, Paulo voltou àquela região e Lucas, – que no capítulo 20 retoma a narração em primeira pessoa do plural, e foi com ele a Mileto, Tiro, Cesareia e Jerusalém. Quando Paulo foi preso em Roma, no ano 61, Lucas ficou ao seu lado, como referem as Cartas de Paulo a Filemon e Timóteo: depois que todos o haviam abandonado, na fase final da sua reclusão, Paulo escreveu a Timóteo: “Somente Lucas está comigo” (2 Timóteo 4,11).

O Evangelista da Misericórdia

É possível perceber a característica mais original do Evangelho de Lucas, graças aos seis milagres e às dezoito parábolas, que não encontramos nos outros Evangelhos. Ele dedica atenção particular aos pobres e às vítimas das injustiças, aos pecadores arrependidos, acolhidos pelo perdão e a misericórdia de Deus: ele narra a parábola do pobre Lázaro e o rico Epulão; fala do Filho Pródigo e do pai misericordioso, que o acolhe de braços abertos; descreve a ação da pecadora perdoada, que lava os pés de Jesus com as suas lágrimas e os enxuga com seus cabelos; cita as palavras de Maria, no Magnificat, quando ela proclama que Deus “derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; aos famintos enche de bens e despede os ricos de mãos vazias!” (Lc 1,52-53).

Junto a Maria

A relação particular que Lucas tem com Maria é outra característica do seu Evangelho. Por meio dele e – podemos imaginar – por meio da narração que Maria lhe fez pessoalmente, conhecemos as palavras da Anunciação, da Visita a Isabel e do Magnificat; por seu intermédio, sabemos os particulares da Apresentação de Jesus ao Templo e a angústia de seus pais, Maria e José, por não poder encontrar seu filho de doze anos no Templo. Provavelmente, graças a esta sua sensibilidade narrativa e descritiva, que nasce a tradição de ser o primeiro iconógrafo, sabemos que Lucas era pintor.

As notícias concernentes à sua morte são incertas: algumas fontes falam do seu martírio; outras dizem que viveu até à idade avançada. A tradição mais antiga diz que morreu na Beócia, com 84 anos, depois de ter-se estabelecido na Grécia, onde escreveu seu Evangelho.

Fonte: Vatican News. Acesso em: 16 out. 2023.

12 de abril – São José Moscati, médico de Nápoles

Reprodução da Internet

“José Moscati, que, como Santo, goza de uma grande devoção em Nápoles, nasceu em Benevento, em 1880, e até tinha origens de Avelino. Filho e neto de magistrados, sua vida profissional parecia determinada, mas ninguém tinha levado em conta a sua grande fé, que, logo, mudou seu destino…

‘Meu lugar é ao lado dos enfermos!’

Em 1892, quando José ainda era adolescente, seu irmão caiu do cavalo e se machucou muito, a ponto de sofrer de epilepsia por causa do incidente. Talvez, foi este impacto precoce com a brevidade da vida humana ou fato de ter que encarar o sofrimento, ou ainda, ter que ver, continuamente, os enfermos da janela da casa paterna, – que dava para o Hospital dos Incuráveis, – que levou José quis fazer a Faculdade de Medicina ao invés de Jurisprudência. Naquela época, a medicina e a ciência em geral eram um terreno fértil para o materialismo, mas o jovem conseguiu manter distância de tudo, alimentando a sua fé com a Eucaristia diária.

Médico de todos

José formou-se brilhantemente em Medicina e tornou-se um médico promissor: com apenas 30 anos, tornou-se famoso por seus diagnósticos imediatos e precisos, que pareciam milagrosos, devido aos poucos recursos da época. Aos que o faziam notar esta sua qualidade, ele respondia que tudo era graças à oração, pois Deus é o arquiteto da vida, enquanto os médicos podem ser apenas colaboradores indignos. Ciente disso, José ia trabalhar todos os dias, tanto no Hospital dos Incuráveis, do qual foi nomeado Diretor, em 1925, quanto em seu consultório particular: ali, acolhia todos e não cobrava a consulta dos pobres, pelo contrário, ele os pagava, por quererem ser curados, sobretudo em suas frequentes visitas domiciliares, nas quais não dava apenas assistência médica, mas também conforto espiritual. Dizem que, certa vez, após ter curado um trabalhador, acometido por um abscesso pulmonar, que todos confundiam com a tuberculose, o paciente quis pagar-lhe com todo dinheiro da sua poupança, mas José pediu-lhe que, ao invés de pagar seus honorários, fosse confessar, pois lhe disse: ‘Foi Deus que lhe salvou’.

Ciência e Fé

Além de se dedicar à cura dos doentes, José tornou-se também um excelente pesquisador: ele empregava novas técnicas e novos remédios, como a insulina, que, em 1922, começou a ser utilizada no tratamento do diabetes. O santo doutor era tão hábil nas autópsias, que, em 1925, lhe foi confiado o cargo de Diretor do Instituto de Anatomia Patológica. Não era raro vê-lo fazer o Sinal da Cruz antes de lidar com um cadáver, pelo respeito que se deve a um corpo humano, que foi amado por Deus. Para o Dr. José, Ciência e Fé não eram dois mundos distantes, separados e inconciliáveis, mas dois elementos que coexistem na vida diária, composta de uma grande devoção à Virgem Maria, de sobriedade e pobreza pessoal, sob o exemplo de São Francisco, e da escolha do celibato, para ter mais tempo para seus pacientes, cada vez mais numerosos.

Erupção do Vesúvio e epidemia

Houve dois episódios importantes na vida de José Moscati, que fazem compreender melhor a sua grandeza: em 8 de abril de 1906, o Vesúvio começou a entrar em erupção. Entendendo, imediatamente, a gravidade da situação, José foi para Torre del Greco, onde o Hospital dos Incuráveis tinha uma filial, para pôr em salvo os doentes. Quando o último paciente estava em lugar seguro, a estrutura entrou desabou.

No entanto, em 1911, uma epidemia de cólera se abateu sobre Nápoles. Assim, mais uma vez, José não estava apenas ao lado dos enfermos, sem medo de se contagiar, mas também na linha de frente de suas atividades de pesquisa, que contribuíram muito para deter a epidemia.

Médico e Apóstolo até o fim

Todos iam ao consultório de José Moscati, até pessoas famosas, como o tenor Enrico Caruso e o Beato Bartolo Longo. Contudo, ele dava a todos, indistintamente, a mesma atenção escrupulosa, porque, em todos, via o Rosto de Jesus sofredor.
Na sala de espera, havia uma escrita sobre seus honorários: ‘Quem puder, dê a sua contribuição; quem precisar, as receba’. Precisamente ali, naquele lugar, em sua poltrona – que mais tarde se tornou uma relíquia venerada – no dia 12 de abril de 1927, o santo médico foi acometido por um ataque cardíaco, vindo a falecer com apenas 47 anos.

José Moscati foi canonizado por São João Paulo II, em 1987, ao término do Sínodo dos Bispos, sobre ‘a vocação e missão dos leigos na Igreja’.”

Fonte: Vatican News. Acesso em: 11 abr. 2023.

© 2024 Katholikos

Por Mauro Nascimento